Make your own free website on Tripod.com

Problemas NM

 

Home

Introdução

Doutrina

História

Sangue

Comentários

Curiosidades

Mensagens

Links

Autor

Problemas no "Novo Mundo"?

Todos os grifos, negritos e itálicos em citações de fontes que não sejam deste mesmo Site foram acrescentados pelo autor deste artigo.

Antes de iniciar uma argumentação propriamente dita, gostaria de esclarecer que basicamente o que me incentivou a escrever este artigo foi a mensagem que um visitante deste Site me enviou. Eis a mesma aqui, preservando-se a identidade do indivíduo:

"Trago uma pergunta que a outros talvez pareça absurda, mas que sempre me intrigou. Se vamos viver para sempre confinados nesta terra como seres de carne e osso, o que acontecerá com a humanidade no paraíso quando o sol explodir e depois deixar de existir para sempre? Não há dúvidas de que daqui a alguns bilhões de anos isso vai ocorrer. Será que o Corpo Governante sabe a resposta? Será que daqui a alguns bilhões de anos, quando isso começar a ocorrer, virá uma 'nova luz' de Brooklyn, publicada em A Sentinela de 15/12/5000.000.000? Será que não devemos fazer especulações nem ser presunçosos, mas aguardar pacientemente até que Deus, no seu tempo devido, esclareça se vamos ser incinerados por uma gigante vermelha ou não? Será que, quando isso ocorrer, Jeová usará um método 'altamente científico que talvez inclua a antimatéria' (como se disse que ele vai fazer para limpar a terra dos bilhões de cadáveres após o armagedom), talvez nos transportando para outro sistema solar? Não encontrei resposta a essa pergunta nem nas publicações da sociedade, nem nos sites 'apóstatas' da internet. Socorro, não quero virar churrasquinho."

Eu também já por algum tempo tenho notado algumas sérias inconsistências na esperança do "Paraíso Terrestre", da forma como apresentada na doutrina das Testemunhas de Jeová. Colocarei aqui algumas questões pertinentes, que não visam esclarecer algo, mas antes se propõe a fazer o leitor raciocinar e se questionar se o  "Paraíso", da forma descrita pelas Testemunhas de Jeová, é viável.

 

1ª Questão: Serão os animais no "Novo Mundo" mansos?

Algumas citações de literaturas das Testemunhas de Jeová:

A Sentinela 15/10/00, página 18, parágrafo 10: "As pessoas não mais serão ameaçadas por guerra, crime, fome e nem mesmo por animais predadores."

Conhecimanto que Conduz à Vida Eterna, página 184, parágrafo 11: "O homem estará em paz com os animais. Não mais os matará por capricho, mas voltará a administrar a Terra de modo responsável, cuidando bem deles. Visualize lobos e cordeirinhos, leões e bezerros comendo juntos - e os animais domésticos totalmente seguros. Nem mesmo uma criançinha terá o que temer de animais selvagens..."

Enfim, esta é a interpretação feita pela Torre de Vigia, do relato de Isaías 11:6-8. Estranhamente, não são citados os versículos 11-16 do mesmo capítulo (bem como Isaías 1:1), que deixam claro que o capítulo não se refere a um distante e futuro "Novo Mundo", mas ao período de tempo e posição geográfica relativos aos dias de Isaías.

Então, seria realmente possível os animais se comportarem da maneira descrita pelos redatores da Torre de Vigia? Considere os seguintes fatores:

 

1 - Necessidades Alimentares e Nutricionais

Todos sabemos que diferentes espécies têm diferentes necessidades alimentares e nutricionais. Assim, a vaca, sendo um herbívoro ruminante pode sobreviver somente com vegetais, uma vez que é este tipo de alimentação que seu corpo necessita. Por outro lado, os tigres necessariamente têm de ser alimentados com carne, visto que seu corpo e sistema digestivo é estruturado para isto. Assim como se tentássemos alimentar uma vaca com carne, ela viria a adoecer, o mesmo aconteceria se alimentássemos o tigre com capim. Seu corpo (do tigre) requer grande quantidade de gordura e proteínas, o que lhe é fornecido pela alimentação com carne. E não somente com estes animais, mas com toda e qualquer espécie, se houvesse a tentativa de se alterar a sua dieta alimentar básica de forma tão radical, seria o mesmo que condená-la (a espécie) a extinção. Tudo por causa de suas necessidades alimentares e nutricionais serem desobedecidas.

 

2 - Capacidade de Mastigação

Todo animal tem seu corpo e aparelho digestivo adaptado para se alimentar de vegetais ou carne. Voltando ao exemplo da vaca, ela tem sua dentição disposta de maneira a mastigar corretamente os vegetais, de forma que possam ser digeridos. Mais que isto, ela tem suas "câmaras internas", seus estômagos, preparados para receberem os vegetais e processá-los quimicamente. Basicamento, isto se dá com todos os animais, de terem dentição ajustada à sua dieta básica e aparelho digestivo apto a trabalhar com seu alimento natural. Agora, já tentou imaginar o coitado do leão, tigre ou leopardo tentando mastigar capim? Ou pior ainda, que tal as serpentes pastando? Isto seria impossível, visto que sua dentição e aparelho digestivo são preparados para que se alimentem de carne! Os felinos têm presas, desenvolvidas para a arte da caça, e não servem para comer folhas, grama ou coisas similares. Portanto, aqui temos um segundo argumento contrário a certas afirmações da Torre de Vigia.

 

3 - Equilíbrio Ecológico

Mais uma séria questão. Sabe-se que o fato de os animais caçarem e devorarem uns aos outros é essencial para o equilíbrio ecológico. A exemplo disto, onde existe caça indiscriminada às serpentes (por sua pele), acontece um descontrole na população de anfíbios. Isto ocorre porque a função das serpentes, no ciclo ecológico, inclui a caça destes animais, o que contribui para o controle de sua população. Isto se dá com praticamente todos os animais existentes na natureza. Assim sendo, se todos os animais passassem a ser herbívoros, o que iria controlar, por exemplo, a explosão populacional dos coelhos? Ou como se faria para comportar os trilhões de sapos e rãs que passariam a se reproduzir sem controle? Seriam criados "novos pântanos" por toda a terra no "Novo Mundo"?. Mais outra questão: como seria feito o controle da população de ratos na terra, visto que, segundo a Torre de Vigia, não haveriam mais predadores naturais?

Por certo que chegamos à conclusão de que, biologicamente é impossível que o cumprimento de Isaías 11 não pode ser literal. Antes, os fatos e a lógica apontam para um cumprimento simbólico, não físico.

 

2ª Questão: O que vai acontecer com o planeta Terra daqui a alguns milhões de anos?

Segundo a Torre de Vigia, o paraíso no planeta terra terá duração eterna. Seria isto possível do ponto de vista das leis da física, que segundo advogado pelas Testemunhas, o próprio Deus criou?

Todos sabemos que o núcleo de nosso planeta Terra é incandescente. No entanto, existe um resfriamento gradual, lento devido à seu enorme volume e massa. Mas é fato inegável que daqui a alguns milhões de anos, segundo as leis da física (segundo pregado Testemunhas, criadas por Deus) o núcleo estará demasiadamente frio, afetando a temperatura e demais condições climáticas da Terra, e tornando impossível toda e qualquer forma de vida no planeta. Que aconteceria com o chamado "Novo Mundo" então? Ou será que Deus desobedeceria uma lei física (reaquecendo o núcleo da Terra) que ele mesmo havia criado? Isto me pareceria incoerente, pois seria um péssimo exemplo para a humanidade em geral.

Mais que isso, assim como disposto no início deste artigo, todas as estrelas nascem e morrem. E com o sol se deu e se dará o mesmo. Seria este outro problema para o assim pregado pelas Testemunhas "Novo Mundo"?

Obviamente, existe uma séria lacuna nas explicações da Torre de Vigia neste respeito, o que pode gerar sérias dúvidas nos adeptos que procuram arrazoar com inteligência e sabedoria.

 

3ª Questão: Afinal, quanto tempo terá a humanidade para chegar à perfeição?

Segundo pregado pelas Testemunhas, Jesus já está entronizado como governante celestial desde 1.914, e após a vinda do Harmagedon teria 1.000 anos para conduzir a humanidade à perfeição. No entanto, isto se choca com a descrição do livro bíblico de Revelação (Apocalipse), que deixa claro que o INTEIRO reinado de Jesus teria uma duração de 1.000 anos. Analise:

Revelação 20:4-6 - "4 E eu vi tronos, e havia os que se assentavam neles, e foi-lhes dado poder para julgar. Sim, vi as almas dos executados com o machado, pelo testemunho que deram de Jesus e por terem falado a respeito de Deus, e os que não tinham adorado nem a fera nem a imagem dela, e que não tinham recebido a marca na sua testa e na sua mão. E passaram a viver e reinaram com o Cristo por mil anos. 5 (Os demais mortos não passaram a viver até terem terminado os mil anos.) Esta é a primeira ressurreição. 6 Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes a segunda morte não tem autoridade, mas serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele [durante] os mil anos."

Note que segundo a descrição do texto acima, imediatamente após a ressureição dos humanos que teriam poder de julgamento se iniciaria o período fixo de 1.000 anos.

Conforme alegado pela Torre de Vigia, os ungidos ressuscitaram logo depois da suposta entronização de Cristo como rei 1.914. Por mágica ou bola de cristal eles supõe isto teria acontecido por volta de 1.918. Assim, em acordo com Revelação 20:4-6, o reinado milenar passaria a ser contado a partir desta data. Que acontece então? A medida em que avançamos no tempo e o famoso Harmagedon (tão alardeado, porém citado somente uma vez na Bíblia - como nome de um lugar) não chega, o tempo que supostamente haveria para a humanidade ser conduzida à perfeição está se reduzindo! Logo chegaremos a 2.018, e haverão 900 anos restando para o final do reinado milenar pregado pelas Testemunhas. Se avançarmos mais 100 anos, o prazo para se aperfeiçoar a "tão declinada humanidade" começa a ficar um pouco encurtado, um tanto quanto abaixo daquilo que os ensinamentos transmitidos por A Sentinela afirmam serr uma esperança confiável.

Começa a perceber quão complexo e pouco escalrecido é o assunto, na forma colocada pelas publicações da Torre de Vigia? Naturalmente que um aprofundamento maior na questão aqui apresentada nos revelaria ainda mais discordâncias entre a lógica biológica e criacionista, em oposição aos ensinos das Testemunhas de Jeová quanto ao que haverá de ocorrer com a humanidade e o planeta no futuro.